No passado dia 14 de setembro, realizou-se na Holanda, em Almere, o Campeonato da Europa de Triatlo de Longa Distância.

Sérgio Marques, em representação da seleção nacional de longa distância, participou inscrito como elite e realizou uma excelente prova, conseguindo entrar no top 10, ao classificar-se na nona posição com um excelente registo de 8h22’22’’.

Sérgio Marques no segmento de corrida (Foto de Arquivo)

Sérgio Marques falou-nos com pormenor como foi a sua prova:

“Aparentemente nos últimos 2 anos só os Ironman me têm corrido bem. Desta feita a prova até foi de um nível inesperado, especialmente na corrida."
“A natação em lago correu conforme esperado, um pouco longe dos 50 minutos baixos de outros anos, mas resulta da opção que fiz a nível de natação, talvez mais forçada, que vontade própria. A surpresa foi apenas ao nível de esforço, muito fácil, com duas voltas num lago espetacular, com temperatura ideal. Saído para o segmento de ciclismo, sem grande história na transição, percebi que dentro de água, portei-me bem. Entre outros tinha o Dirk Wijnalda, o Chris Fisher, o Andrej Vistíca e o Carlos Aznar Gallego. Optei por entrar no meu ritmo e também rapidamente perdi de vista o Fisher e o Visstica. Foi opção do momento. Às vezes opta-se por sofrer um pouco mais e a coisa corre bem, ali optei por tentar controlar o esforço. O percurso de bicicleta era rápido, mas difícil no aspeto de termos de manter uma posição aero e pedalar o tempo todo sem descanso. Confesso que requeria algum treino específico, ao qual não me foquei até bem perto da prova e acabei por ter alguns problemas a partir dos 100km. Até mesmo com o fato de competição, que não tem carneira, acabou por me provocar bastantes problemas nas partes finais do ciclismo. Apesar disso o ciclismo não foi mau e permitiu manter contacto com o top 10 que ambicionava. Gostava de poder ter 10 a 15w a mais em linha com esta altura no ano passado, mas faz-se o possível. A corrida sim, foi uma espécie de surpresa. Já há algum tempo, ao nível do treino, sabia que a corrida “pós bike” estava muito boa, mas na verdade correr a 2:45 já era coisa que não fazia a alguns anos, sai para correr com o Dirk e o Geys e não durou muito até ficar sozinho à procura do top 10. No início parecia algo muito difícil mas durante as 6 voltas mantive um ritmo bastante certo, passei a meia maratona com média de 3:51 e acabei com 3:55 o que foi ótimo. O único senão foi mesmo a falta de informação relativamente aos adversários. É que com essa informação na fase final consegues manter uma motivação extra e tentar manter a pressão e ritmo. No final saber que chegaram dois atletas antes de mim com cerca de 1 minuto de diferença, deixa sempre aquele pensamento que poderia ser melhor."
“Independentemente disso estou muito satisfeito por ter cumprido o objectivo principal que era um top10."